Sentar em Silêncio e os “modos de caminhar na vida”

Você já teve ter ouvido muitas vezes ou você mesmo já falou pra muita gente: “se cuida, hein!” O que você costuma fazer quando ouve isso? Talvez você cuida da sua alimentação, do sono, relaxe com um vinho, ou uma massagem, uma caminhada ou mesmo senta pra fazer uma prática meditativa não é mesmo? ou nada disso né? 🙂

Outro dia estava no meio do meu trabalho de pesquisa (1) e li sobre o ato de cuidar como:

um lugar de singularização dos modos de se definir de forma mais autônoma “os modos de caminhar na vida”.

Ah?.. Precisa ler de novo né… vou simplificar do meu jeito,

Ato de cuidar como

um espaço muito pessoal,

para sem depender de outras pessoas,

definir como você escolhe viver.

Considerando essas ideias sobre o Ato de Cuidar,

o quanto você tem vivido esse espaço seu para as escolhas da sua vida?

Existem inúmeras formas para cultivarmos esse espaço. Creio que cada pessoa naturalmente no decorrer da vida vai descobrindo o seu, ou ainda não.

No meu caso, depois de algumas experiências, o Sentar em Silêncio tem se tornado uma maneira bastante sincera de me colocar nesse espaço de viver além dos incessantes estímulos cotidianos, dos condicionamentos culturais, deixando de ser marionete das inúmeras forças que nos permeiam para assumir e manifestar as potências criativas pessoais.

Com breves orientações de postura, corpo, respiração, intenções e atitudes; o sentar em silêncio, que inicialmente aparenta ser uma atividade cansativa e monótona tem se tornado para mim uma jornada de autoconhecimento reveladora. Tais revelações tem nutrido a minha realização pessoal na relação com as pessoas, com a natureza e com meus próprios “modos de caminhar na vida”.

Se não me engano foi em 2009, período em que era voluntário em Nazaré Uniluz, que escrevi o poema abaixo. E esse caminhar continua, até a próxima!

Casa em ordem

Sentar em silêncio é colocar a casa em ordem
não na ordem que alguém disse ou que eu desejo,
na ordem que ela se faz autêntica.

Sentar em silêncio é oferecer atenção a si mesmo,
perceber-se, compreender-se,
não pelos sentidos ou intelecto,
mas por ser inteiro.

Sentar em silêncio é oferecer atenção à vida,
percebê-la, compreendê-la, enxergar seus sabores, armadilhas e saídas.

Sentar em silêncio é colocar a casa em ordem,
se encher, se esvaziar, e simplesmente sorrir
ao aberto campo do existir.

Marcio Sussumu Hirayama

estava lendo o capítulo: Novo olhar sobre as tecnologias de saúde: uma necessidade contemporânea de MERHY, E.E.; FEUERWERKER, L.C.M. O qual por sua vez cita: o livro O normal e o patológico de Canguilhem, G. e também o capítulo Uma taxonomia operacional de necessidades de saúde de Cecilio, L.C. e Matsumoto,N.F.